Devíamos conversar mais sobre Masculinidade Tóxica

Quem nasceu homem já deve ter escutado essa frase “Tenha jeito de homem”. Principalmente na questão de mostrar os sentimentos. Sempre aprendemos que chorar é algo ruim e que devemos assim dizer, engolir. Aprendemos que certos comportamentos e gostos não são coisa de homem. Até o começo da minha adolescência, eu ainda escutava que homem que usa rosa era gay. Até o dia que meu pai comprou uma camisa rosa e disse que não tem nada a ver.

Socialmente somos ensinados a ter uma masculinidade Tóxica. Nos ensinam que não devem duvidar da nossa masculinidade, como se isso fosse tirar nossa identidade. Sempre somos incentivados a ser o macho alfa. Caso alguém saia dessa padronização, não é considerado “Homem”.

De certo modo, é ensinado que qualquer comportamento que é associado a “mulher” não cabe ao homem heterossexual. Chorar, rebolar e antigamente usar rosa por exemplo e que de certo modo, esses comportamentos o tornam inferior. Acaba tornando a masculinidade uma lista de regras bestas com permissões e proibições para quem nasce com pênis. Por isso se chama de Masculinidade Frágil, pois essa lista de permissões e proibições em si é frágil.

É fácil de se identificar pessoas que tem masculinidade toxica. Elas sentem uma necessidade em provar para a sociedade como verdadeiros machos-alfas. Então comportamentos agressivos são consequências dessa masculinidade que além de frágil é toxica.

Essa cultura de masculinidade tóxica tem outras consequências. Em alguns homens, isso afeta sua autoestima. Se sentem incapaz de seguirem as regras impostas pela masculinidade toxica, se veem inferiores. Muitas pessoas que se dizem mais mente aberta ainda usam discursos vindo da cultura da masculinidade toxica, como exaltação ao pênis. Como se ter um pênis pequeno ou fora da média ainda fosse uma piada ou que diminuísse uma pessoa.

Socialmente, a cultura da masculinidade toxica afeta não somente o homem, mas também as mulheres. Relacionamento abusivos é uma das consequências. Pois serviços como limpeza é tratado como “coisa de mulher”. A mulher na cultura da masculinidade toxica é inferior, então é submissa ao homem. A masculinidade toxica se relaciona diretamente ao machismo.

A desconstrução é muito mais pesada. Sair da zona de conforto que você foi ensinado a viver complica ainda mais. Todo homem que se permite sair dessa cultura acaba sendo tratado em vários casos como gay ou tendo sempre sua sexualidade em dúvida por outros heterossexuais, até mesmo pela comunidade LGBT. Quanto mais você se livra da masculinidade tóxica, mas as pessoas duvidam da sua sexualidade.

Ainda existe aquelas pessoas que te criticam por você estar tentando se descontruir. Menosprezando sua luta porque ela considera outra luta mais digna. Essas mesmas pessoas acham ofensivo quando ser humanos querem tirar suas dúvidas sobre certo assunto. Só querem criticar e não querem resolver.

Esse é um assunto que deve ser muito mais debatido. Um dialogo maior deveria existir sobre esse assunto, pois existem comportamentos que parecem surtis mas que provocam problemas maiores.

Anúncios